15/07/17

Armagedon, a batalha final do Apocalipse.

Ray C. Stedman. Tradução e adaptação: Wilma Rejane O ponto culminante da Grande Tribulação será a batalha do Armagedom. Apocalipse 16:14-16. Na verdade, talvez seja melhor falar da "campanha" do Armagedom, uma vez que não é uma batalha única, mas uma série de eventos em que todas as nações do mundo serão atraídas como participantes. A palavra "Armagedom" é formada a partir das palavras hebraicas "Har" ou montanha, e "Megido", uma cidade em uma colina - na parte norte da Terra Santa, interior de Monte Carmelo (perto do porto moderno de Haifa). É no "cruzamento das encruzilhadas" em que a antiga Via Maris ("Caminho do Mar") cruza a rodovia transversal central de Israel. Esta comanda uma vista do vale de Jezreel, o "celeiro de Israel." Foi um posto de comando estratégico para o controle de toda a área por muitos séculos. Os viajantes do Egito à Síria, Babilônia, Pérsia, Ásia Menor, normalmente passam por esse caminho, e poderia ser tributado por quem controlava a cidade. Por este motivo, a cidade foi conquistada por muitas vezes as várias potências que ocuparam a Terra Santa. Duas questões importantes têm de ser consideradas: Jerusalém é o foco da batalha, mas Megido, fica 55 milhas de distância de Jerusalém. Isso pode ser entendido quando o enorme número de soldados envolvidos nesta batalha são considerados. Essa área, Megido, e o vale de Jezreel, (também conhecido como a planície de Esdrelon) serão a área de teste onde as tropas multi-nacionais se reunirão antes de seu avanço em Jerusalém. Haifa, no extremo oeste do Vale, é o porto lógico para desembarques de tropas principais. A outra questão é :quem está lutando contra quem nessa batalha? É evidente que, no final de sua carreira, o Anticristo estará lutando contra várias alianças, e seu império parece estar se desintegrando. Por outro lado, de acordo com Apocalipse 19, todas as forças estarão reunidas para que a batalha seja travada contra Jesus Cristo. O versículo 19 afirma: "Então vi a besta e os reis da terra e os seus exércitos reunidos para fazerem guerra contra o Cavaleiro sobre o cavalo e seu exército." O cenário provável é que o Anticristo, percebendo que seu poder está diminuindo, consegue unir todas as forças da terra juntos contra seu inimigo comum - o Rei dos Reis e Senhor dos Senhores. Como todos os não-crentes fazem, eles pensam que podem prevalecer contra Ele! Esta batalha terrível é o tema de muitas passagens do Velho e Novo Testamento. É realmente uma série de inter-relacionados desastres. Vamos primeiro olhar para algumas das previsões do Antigo Testamento sobre esse dia terrível. Essas passagens nos lembram que o povo escolhido de Deus, Israel, e sua capital, Jerusalém, são o foco da batalha. Ela também mostra a compaixão de Deus para com Israel. Analisemos as etapas que levam à batalha, e para o regresso glorioso do Senhor Jesus Cristo. Antigo Testamento prevê batalha do Armagedom Zacarias O pós-exílico profeta Zacarias tinha muito a dizer sobre o fim do mundo em que vivemos. O próprio Deus vai lutar contra aqueles que se reunirão contra Jerusalém. “Esta é a palavra do Senhor acerca de Israel. O Senhor, que estende os céus, que estabelece as bases da terra, e que forma o espírito do homem dentro dele, declara: "Eu vou fazer de Jerusalém um copo que envia todos os povos vizinhos cambalear, Judá será cercada. "(Zacarias 12:1-2) O termo naquele dia usado com freqüência pelos profetas, é um indício de que a passagem está se referindo ao Dia do Senhor, ou seja, ao período da grande tribulação: "Naquele dia, quando todas as nações da terra estiverem reunidas contra ela, eu farei de Jerusalém uma pedra para todas as nações. Todos os que tentarem movê-la vão se machucar. "Naquele dia eu vou bater todos os cavalos de pânico e seu cavaleiro com loucura", declara o Senhor. Vou manter um olhar atento sobre a casa de Judá, mas eu vou cegar todos os cavalos dos povos. Então os chefes de Judá dirão no seu coração," O povo de Jerusalém éfortes, porque o Senhor dos Exércitos é o seu Deus . " "Naquele dia eu vou fazer os chefes de Judá como um firepot em uma pilha de lenha, como uma tocha flamejante entre os feixes. Eles irão consumir direita e à esquerda a todos os povos ao redor, mas Jerusalém permanecerá intacta em seu lugar. "O Senhor vai salvar as habitações de Judá, de modo que a honra da casa de Davi e dos habitantes de Jerusalém não podem ser maiores do que a de Judá." "Naquele dia o Senhor vai proteger aqueles que vivem em Jerusalém, de modo que o mais fraco dentre eles será como Davi, e a casa de Davi será como Deus, como o Anjo do Senhor que vai diante deles." "Naquele dia eu vou expor para destruir todas as nações que atacam Jerusalém." (Zacarias 12:3-9) Perto do final do período de tribulação, Jerusalém estará sob o cerco militar e será invadida por exércitos estrangeiros mais uma vez. Zacarias anuncia que isso vai acontecer antes do retorno final de Messias para a cidade, "O dia do Senhor vem, quando o seu saque será dividido entre vocês. Vou reunir todas as nações para Jerusalém para lutar contra ela, a cidade será tomada, e as casas saqueadas, e as mulheres estupradas. Metade da cidade irá para o exílio, mas o resto do povo não será retirado da cidade. Então o Senhor vai sair e lutar contra estas nações, como pelejou no dia da batalha. Naquele dia, estarão os seus pés sobre o Monte das Oliveiras, a leste de Jerusalém, e o Monte das Oliveiras será dividido em dois, de leste a oeste, formando um grande vale, com metade da montanha em direção ao norte e ao sul meia movimento. Você vai fugir do vale para montanha, por isso vai se estender para Azel. Você vai fugir como você fugiu do terremoto nos dias de Uzias, rei de Judá. Então o Senhor Deus meu virá, e todos os santos com Ele." (Zacarias 14:1-5) Daniel O Livro de Daniel é conhecido como "o Apocalipse do Antigo Testamento." As visões deste livro estabelecem o quadro de toda a história dos impérios mundiais , desde o tempo de Nabucodonosor (e até antes), até que o governo despótico final do Anticristo. No nono capítulo há uma breve alusão à batalha do Armagedom, onde o mal será derrotado. Ele [o homem do pecado] fará firme aliança com muitos, por uma semana. " No meio do "sete" ele vai colocar um fim ao sacrifício e à oferta. E sobre a asa, ele vai criar uma abominação que causa desolação, até o fim que está determinado, se derrame sobre ele. " (Daniel 9:27) O décimo primeiro capítulo de Daniel aparentemente prediz algumas das atividades de campanhas militares do Anticristo, que antecedeu a sua criação ousada de si mesmo como governante, e a "abominação da desolação" no ponto médio da Tribulação. Os primeiros 20 versículos deste capítulo descrevem a ascensão da Grécia de Alexandre (versículo 3), no final da era do Medo-Persa, em seguida, o surgimento do Império Romano como "Rei do Norte". No versículo 21, a cena muda a partir do antigo Império Romano para o aparecimento futuro de uma pessoa desprezível, que vai aproveitar o reino com intriga (conspiração). No auge de seu poder, ele vai decidir romper sua aliança com Israel. Naquela época, ele vai abolir o sacrifício diário (no Templo recém reconstruído em Jerusalém), e o falso profeta irá criar a "abominação da desolação", que revela Apocalipse 13:14-15 será uma imagem da primeira besta que é para ser adorada. A maioria dos comentaristas conservadores encontram nos eventos de Daniel 11 semelhanças em algum grau com Antíoco Epifânio. O rei do norte voltará para a sua terra com grande riqueza, mas seu coração será contra a santa aliança. Ele vai tomar medidas contra ele e depois retornar ao seu próprio país. "Na hora marcada, ele vai invadir o Sul novamente, mas desta vez o resultado será diferente do que era antes. Navios das ilhas ocidentais vão se opor a ele, e ele vai perder o coração. Então, ele vai voltar e descarregar sua fúria contra a santa aliança. Ele vai voltar e mostrar favor para os que deixarem a santa aliança. Suas forças armadas se levantarão para profanar a fortaleza e templo vai abolir o sacrifício diário. Então eles vão criar a abominação que causa desolação." (Daniel 11:28-31) Daniel capítulo 11. A primeira parte deste capítulo é uma longa história de antigos governantes, os Selucidas e os Ptolomeus, que lutaram por muitos anos um contra o outro - com Israel no meio. No versículo 36 há uma mudança repentina nos saltos de texto e Escritura ao longo de séculos de intervenção histórica até "o tempo do fim". Em seguida, a guerra final começará por um rei egípcio a invadir Israel a partir do sul e sendo atendidas pelas forças opostas do último rei do Norte. "O rei [homem do pecado] vai fazer o que quiser. Ele exaltará e se engrandecerá sobre todo deus e vai dizer coisas inauditas contra o Deus dos deuses. Ele vai ser bem sucedido até que o tempo da ira seja concluído, para o que foi determinado. Ele vai mostrar nenhum respeito aos deuses de seus pais ou a qualquer outro deus e se exaltará acima de todos eles. Ao invés deles, vai homenagear um deus de fortalezas, um deus a quem seus pais não conheceram honrará com ouro e prata, com pedras preciosas e presentes caros Ele vai atacar as fortalezas mais poderosas com a ajuda de um deus estranho e muito honrar aqueles que reconhecem que ele vai fazê-los. dominem sobre muitas pessoas e vai distribuir a terra a um preço. "No tempo do fim o rei do sul se envolverá em batalha, e o rei do Norte vai atacar contra ele com carros e cavalaria e uma grande frota de navios. Ele vai invadir muitos países e varrer eles como uma enchente. Ele também vai invadir a terra bonita [Israel] Muitos países cairão, mas Edom, Moabe e os líderes de Amom serão entregues a partir de sua mão. Ele vai estender seu poder sobre muitos países;... Egito não escapará Ele vai ganhar o controle dos tesouros de ouro e prata e de todas as riquezas do Egito, com os líbios e núbios em submissão. Mas os relatórios do leste e do norte de alarme, e ele irá definir em uma grande fúria para destruir e aniquilar muitos. Ele vai armar suas tendas reais entre os mares [os mares Mediterrâneo e Dead] no belo santo monte [Jerusalém]. entanto, ele virá ao seu fim, e ninguém vai ajudá-lo. "(Daniel 11:36-45 ) Joel O profeta Joel também descreve essa invasão final: " Tocai a trombeta em Sião, soe o alarme no meu santo monte. Que todos os que vivem na terra tremam, porque o dia do Senhor está chegando. Dia de trevas e escuridão, dia de nuvens e escuridão. Como o amanhecer se espalhando através das montanhas, um exército grande e poderoso vem, como nunca foi visto em séculos antigos e vindouros. Diante deles o fogo devora, atrás deles chamas de chamas. Diante deles a terra é como o jardim do Éden, atrás deles, um desperdício do deserto - nada escapa. (Joel 2:1-3) Joel escreveu sobre a invasão se aproximando de Israel por Nabucodonosor, em sua época, e também sobre a invasão final de exércitos estrangeiros que viriam apenas antes da aparição do Messias em poder e glória. A pista para a aplicação do fim dos tempos é a frase "o Dia do Senhor", que ocorre novamente no final da seção seguinte: Eles têm a aparência de cavalos, eles galopam como cavalaria. Com um ruído como o de carros que saltam sobre os cumes das montanhas, como um restolho de fogo crepitante que consome, como um exército poderoso elaborado para a batalha. Na visão deles, as nações estão em angústia, cada rosto fica pálido. Eles cobram como guerreiros, eles escalam paredes como soldados. Todos eles marcham em linha, não se desviando de seu curso. Eles não empurram um ao outro, marcham para a frente. Eles mergulham as defesas sem quebrar fileiras. Eles correm sobre a cidade ao longo da parede. Eles sobem nas casas; como ladrões entram pelas janelas. Diante deles a terra treme, treme céu, o sol e a lua se escurecem, e as estrelas já não brilham. O SENHOR lançara trovões na cabeça do seu exército; suas forças estão além do número, e poderosos são aqueles que obedecem a seu comando. O dia do Senhor é grande, é terrível. Quem poderá suportar?" (Joel 2:4-11) Deus, em misericórdia já havia salvo o remanescente piedoso em Israel, no ponto médio da tribulação e levado com segurança para refúgio em Petra para a última metade do período da tribulação. Ainda assim, o Senhor chama os judeus remanescentes de Israel a voltar-se para Ele, mesmo na hora de atraso em que estão vivendo agora. Palavras de Joel se aplicam tanto para o cativeiro na Babilônia aproximando - que estava no horizonte próximo, quanto ao “dia do Senhor”-, mas são ainda mais relevantes para a situação durante o período de tempo do fim. Implora a Deus com o seu povo a voltar a Ele, mesmo na hora da meia-noite. "Mesmo agora, diz o Senhor", voltarão para mim de todo o vosso coração, com jejuns, lágrimas e lamentações ". Rasgai o vosso coração e não os vossos vestidos. Voltar para o Senhor, teu Deus, porque ele é misericordioso e compassivo, lento para a cólera e cheio de amor, e ele cede o envio de calamidade. Quem sabe? Ele pode voltar e ter piedade e deixar para trás uma bênção - ofertas de cereais e as libações para o Senhor teu Deus. "Tocai a trombeta em Sião, declarem um jejum santo, convoquem uma assembléia sagrada. Reúnam as pessoas, consagrem a igreja; reúnam os anciãos, congregai as crianças. Saia o noivo e a noiva de seus quartos. Deixem os sacerdotes, que ministram perante o Senhor, entre o alpendre e o altar do templo. Deixe-os dizer: Poupe seu povo, ó Senhor. Não faça de sua herança um objeto de escárnio, um provérbio entre as nações. Por que diriam entre os povos: Onde está o seu Deus?'' (Joel 2:12-17) Joel também prevê a conversão final de Israel no último minuto - que precede o retorno final do Messias. Em misericórdia a graça de Deus, nessa altura, transforma um terço da nação de volta para si mesmo. Na verdade, as orações deste remanescente são necessárias para o retorno do Messias para a sua terra, para o tempo final. Esta conversão na décima primeira hora, de um grande número de judeus para o Messias, poderia ascender a mais de um milhão de novos crentes que entram no reino, assim como o Messias está voltando para a terra pela última vez: "Quando o SENHOR se mostrou zeloso da sua terra e teve misericórdia de seu povo. O Senhor respondeu-lhes:Eu vos envio trigo, do vinho novo e de azeite, o suficiente para satisfazê-lo totalmente, nunca mais vou fazer você um objeto de escárnio para as nações, eu vou dirigir o exército do norte longe de você, empurrando em uma terra seca e estéril, com suas colunas frontais que vão para o mar oriental e aqueles na parte traseira para o mar ocidental. E seu fedor vai subir; seu cheiro vai subir. Certamente ele tem feito grandes coisas." Certamente o Senhor tem feito grandes coisas. Não temas, ó animais selvagens, as pastagens estão se tornando verde. As árvores estão dando seus frutos, a figueira e a videira produzirão suas riquezas. Seja feliz, povo de Sião, regozijai-vos no Senhor vosso Deus, para que Ele lhe dê as chuvas de outono em justiça. Ele te manda chuvas abundantes, tanto de outono e chuvas de primavera, como antes. As eiras serão preenchido com grãos; as cubas transbordarão de vinho novo e de azeite. "Eu te pagarei pelos s anos que o gafanhoto tem comido - o gafanhoto grande e os gafanhotos jovens, os outros gafanhotos e o enxame de gafanhotos -. Meu grande exército que enviei contra vós. Vocês vão ter muita coisa para comer, até que esteja completo, e você vai louvar o nome do Senhor teu Deus, que fez maravilhas para você;. nunca mais vai ser o meu povo envergonhado Então você vai saber que estou em Israel, que eu sou o Senhor vosso Deus, e que não não é outra, nunca mais vai ser o meu povo envergonhado. "E depois, que derramarei o meu Espírito sobre todas as pessoas. Vossos filhos e vossas filhas profetizarão, vossos velhos sonharão, e vossos jovens terão visões. Mesmo sobre os meus servos, homens e mulheres, que derramarei o meu Espírito naqueles dias. vou mostrar maravilhas nos céus e na terra, sangue, fogo e nuvens de fumaça. O sol se converterá em trevas, e a lua em sangue, antes que venha o dia grande e terrível do Senhor. E todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvo, pois no monte Sião e em Jerusalém haverá livramento, assim como o Senhor disse, entre os sobreviventes, a quem o Senhor chama "(Joel 2:18-32). Alerta apocalíptico de Joel é apenas um dos muitos no Antigo Testamento, que tem um cumprimento duplo. Joel advertiu contra as invasões devastadoras de Nabucodonosor que estavam à frente em seu próprio dia. Mas o Espírito de Deus também tinha em mente um cumprimento maior e mais completo dessas passagens no final da época em que vivemos hoje.
As Sete Taças da Ira de Deus Estes julgamentos parecem vir em rápida sucessão, levando até a batalha de Armagedom. Detalhes nos é dado, mas eles são julgamentos sobrenaturais que parecem afetar toda a terra. Primeiro Taça - Feridas Prejudiciais Então, ouvi uma grande voz do templo dizendo aos sete anjos: "Vá, derramar as sete taças da ira de Deus sobre a terra." O primeiro anjo foi e derramou a sua taça sobre a terra, e feridas feias e dolorosas estourou nas pessoas que tinham o sinal da besta e adoraram a sua imagem. (Apocalipse 16:1-2) A taça primeira vai causar feridas feias e dolorosas. Se a humanidade tem a capacidade de desenvolver armas biológicas, imagine o que o Criador poderia fazer nesta área. O resultado é doloroso, mas, evidentemente, não mortal. Na verdade, todas essas pragas causam tormento ao invés de morte. A segunda taça – sangue mortal O segundo anjo derramou a sua taça no mar, e se transformou em sangue como de um morto, e todos os seres vivos no mar morreu. (Apocalipse 16:3) Esta é uma reminiscência da praga do Êxodo 7 nos tempos de Moisés, quando o rio Nilo e toda a água do Egito transformou-se em sangue. Neste caso, ele vai afetar "o mar", ou seja, pelo menos, o Mediterrâneo, e talvez todos os oceanos da Terra. A terceira taça O terceiro anjo derramou a sua taça nos rios e nas fontes das águas, e se tornaram em sangue. Então ouvi o anjo das águas dizer: "Você é apenas nesses julgamentos, tu que és e que eras, o Santo, porque você tem julgado, pois eles derramaram o sangue dos santos e dos profetas, você deu-lhes o sangue a beber como eles merecem. " E ouvi o altar responder: "Sim, Senhor Deus Todo-Poderoso, verdadeiros e justos são os teus juízos." (Apocalipse 16:4-7) Este julgamento é uma continuação do último, espalhando o horror de água sangrenta dos mares a todas as fontes de água. Tão repugnante como esta praga é porque a humanidade rebelde tenha derramado o sangue dos santos e dos profetas. Quarta Taça – fogo e calor insuportável O quarto anjo derramou a sua taça sobre o sol, eo sol foi dado o poder de pessoas de queimaduras com fogo. Eles foram cauterizada pelo calor intenso e blasfemaram o nome de Deus, que tinha o controle sobre estas pragas, mas eles se recusaram a arrepender-se e glorificá-lo. (Apocalipse 16:8-9) Muitas causas naturais poderíamos falar desse sol ardente. Violentas erupções do Sol em si, uma ligeira mudança de órbita, ou mesmo destruição da camada de ozônio. em torno da Terra, poderia causar isso. É muito significativo que, mesmo com esses lembretes do poder e da ira de Deus, o povo rebelde ainda se recusam a arrepender-se. Quinta Taça - Escuridão O quinto anjo derramou a sua taça sobre o trono da besta, e o seu reino foi mergulhado na escuridão. Os homens mordiam as suas línguas de dor e amaldiçoou o Deus do céu por causa das angústias e das úlceras, mas eles se recusaram a se arrepender do que tinha feito. (Apocalipse 16:10-11) Vindo na esteira de terríveis queimaduras do sol, haverá completa escuridão e o frio que vem com esta falta de luz. Arrepios são comuns entre aqueles que sofreram queimaduras, e isso vai fazer a sua situação ainda pior. No entanto, em vez de se arrepender, a humanidade vai amaldiçoar a Deus. Sexta taça - Secagem de rios O sexto anjo derramou a sua taça sobre o grande rio Eufrates, ea sua água secou-se para preparar o caminho para os reis do Oriente. (Apocalipse 16:12) Esses eventos levam até o grande confronto com Cristo: A batalha do Armagedom. A secagem do rio Eufrates por agências angelicais, será mais fácil para as tropas do Extremo Oriente para entrar no Oriente Médio e se preparar para a batalha. Espíritos demoníacos Então vi três espíritos malignos que pareciam rãs, eles saíram da boca do dragão, da boca da besta e da boca do falso profeta. São espíritos de demônios que realizam sinais miraculosos, e vão ao encontro dos reis de todo o mundo, para os congregar para a batalha do grande dia de Deus Todo-Poderoso. "Eis que venho como um ladrão! Bem-aventurado aquele que vigia, e guarda as suas roupas com ele, para que ele não ande nu, e ser vergonhosamente exposto."Em seguida, eles reuniram os reis no lugar que em hebraico se chama Armagedom. (Apocalipse 16:13-16) O convite para esta batalha não é por alianças políticas convencionais, mas por uma sedução demoníaca. A sétima taça - Terremotos graves O sétimo anjo derramou a sua taça no ar, e fora do templo veio uma voz, vinda do trono, dizendo: "Está feito!" Então veio relâmpagos, estrondos, trovões e um terremoto grave. Nenhum terremoto como tem ocorrido desde que o homem tem estado na terra, tão grande foi o terremoto. A grande cidade dividida em três partes, e as cidades das nações em colapso. Deus lembrou-se da grande Babilônia e lhe deu o cálice do vinho do furor da sua ira. Toda a ilha fugiu e os montes não pôde ser encontrado. Do céu granizo enormes de cerca de cem quilos cada caiu sobre os homens. E eles amaldiçoaram a Deus por causa da praga da saraiva, porque a praga era tão terrível. (Apocalipse 16:17-21) A "Campanha" do Armagedom Como já disse, é óbvio que o conflito final da Tribulação não é uma batalha simples, mas uma série complexa de movimentos militares e compromissos. Estudiosos bíblicos têm proposto uma série de medidas possíveis neste processo. Não é sábio ser dogmático sobre a seqüência exata. Como as profecias da primeira vinda do Messias, os vários aspectos eram conhecidos, mas há muitas maneiras que poderiam ser imaginados. Ninguém poderia ter escrito a ordem específica e detalhes do Evangelho antes e Cristo veio para cumprir as previsões sobre sua vida terrena e ministério. Aqui estão elementos-chave da segunda vinda de Cristo, e uma seqüência proposta. 1 - O Anticristo vai invadir Israel, em seguida, tomar as suas tropas para o Sul (Norte da África, incluindo o Egito ea Líbia - Daniel 11:40-43). Sua ditadura econômica será desafiada, envolvendo atividade militar durante a segunda metade da Tribulação. Perto do fim, o "Rei do Sul" (provavelmente o Egito, com a Líbia e outros) irá se rebelar. Ele vai trazer as suas tropas através de Israel, e acabar com os distúrbios. 2 - O Anticristo será perturbado por notícias do Oriente e do Norte, então ele vai voltar a estabelecer uma área de teste no Vale do Armagedom ("entre o mar e a montanha " do bonito Monte Sião - Daniel 11:44 - 45). Ele vai voltar a Israel e estabelecer seu posto de comando. O Vale do Armagedom está a apenas 20 milhas para o interior da cidade portuária de Haifa, através do qual exércitos marítimos do mundo pode entrar. 3 - reis e exércitos de todas as nações serão convocados para o jogo. O Rio Eufrates secará para permitir que os enormes exércitos do Leste passam vir (Apocalipse 9:14-16; 16:12-16). Em um último esforço inútil para unificar os exércitos da Terra, e para desviar a atenção do fato de que sua estrangular espera de que as potências mundiais estarão enfraquecendo, o Anticristo irá declarar guerra contra o próprio Jesus Cristo, o inimigo comum de todas as pessoas degradantes da Tribulação. O objeto de sua ira será o povo escolhido em Jerusalém. 4 - Destruição de Jerusalém (Zacarias 12:1-3; 14:1-2). Jerusalém será devastada pela força avassaladora das forças do Anticristo. Muitos bons professores da Bíblia, incluindo o falecido Ray C. Stedman, veem o cumprimento da guerra também em Ezequiel 38 e 39. Neste ponto de vista, a guerra, uma das campanhas da última guerra, será contra Israel, provocada pela Rússia e seus aliados. Deus nos ajude a perseverarmos em fé e obediência, a Ele toda glória! Postado por Wilma Rejane

É hora de largar o saleiro e ser o sal - Mateus 5:13

Wilma Rejane "Vós sois o sal da terra; e se o sal for insípido com que se há de salgar? Para nada mais serve, senão para se lançar fora e ser pisado pelos homens" Mateus 5:13. Interessante perceber o quanto Jesus fez uso de metáforas para ser melhor compreendido por seus ouvintes. Como palavras tão simples, soam tão profundas? Elas penetram na alma como espada de dois gumes, Hebreus 4:12; "Pois a palavra de Deus é viva e eficaz, e mais afiada que qualquer espada de dois gumes; ela penetra até o ponto de dividir alma e espírito, juntas e medulas, e julga os pensamentos e as intenções do coração." E assim, com simplicidade e poder o que está escrito permanece para todo o sempre, revirando o interior do homem, provocando transformações. E quem quiser ser discipulo, deve largar o saleiro e ser ele mesmo o sal. Porque sem transformar a si mesmo, não há como transformar o mundo. É fácil relacionarmos a fala de Jesus sobre sal e discipulo, considerando que comida sem sal é insossa, sem gosto e discipulos de Jesus devem ser notados como pessoas que fazem diferença, "salgam" os ambientes. Simples. Mas dessa parábola, podemos extrair "outros saborosos pratos" que nos servirão de alimento . Assim, prossigamos a mergulhar nos aceanos da graça Divina em busca de sal para temperar nosso espírito. O sal Está presente em quase todo o planeta: oceanos, nascentes, subterrâneos, vegetação. Temos sal em todos os líquidos orgânicos: lágrimas,saliva, urina e no sangue, cujo teor é de 6,5 g de cloreto de sódio por litro. Respeitados os limites aconselhados pela profilaxia médica, o sal é-nos, assim, absolutamente indispensável, a nós e aos animais, em cujas rações também se inclui o sal. Além de cair bem ao nosso paladar, o sal é uma necessidade vital. Sem sódio, o organismo seria incapaz de transportar nutrientes ou oxigênio, transmitir impulsos nervosos ou mover músculos – inclusive o coração. Sal, salada, salário De tão essencial, o direito ao sal chegou a ser garantido pelo Estado. Os romanos, apesar de não manterem monopólio sobre o sal, subsidiavam seu preço para garantir que os plebeus tivessem acesso a ele. “Sal para todos” era um lema romano. Foi nessa época que surgiu a palavra “salada”, pois havia o costume de salgar os vegetais para amenizar o amargor de alguns deles. A ausência do saleiro numa mesa romana era um sinal de inimizade. Da mesma forma que deveria estar disponível para o cidadão comum, o sal era imprescindível para os legionários que conquistavam e mantinham o gigantesco império. Tanto que os soldados chegavam a ser pagos em sal, de onde vêm as palavras “salário”, “soldo” (pagamento em sal) e “soldado” (aquele que recebeu o pagamento em sal). Na Bíblia 2 Crônica 13:5 - Porventura não vos convém saber que o Senhor Deus de Israel deu para sempre a Davi a soberania sobre Israel, a ele e a seus filhos, por uma aliança de sal? Levítico 2:13 - E todas as tuas ofertas dos teus alimentos temperarás com sal; e não deixarás faltar à tua oferta de alimentos o sal da aliança do teu Deus; em todas as tuas ofertas oferecerás sal. Marcos 9:49 – Porque cada um será salgado com fogo, e cada sacrifício será salgado com sal. (No juízo final). Gêneses 19:26 E a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida numa estátua de sal”. Gêneses 19:26 E o sal nosso de cada dia Antigamente pela dificuldade de acesso e extração, o sal chegou a ter seu valor de mercado equiparado ao ouro. Acordos de guerra e paz foram selados à base dessa mercadoria. Indía e Inglaterra que o digam. O sal continua tendo muito valor, pois planeta sem sal equivale a planeta sem mar, mar sem àgua (?). Sal é vida, mas em sua quantidade ideal, perfeita como bem dosada por Deus. Nem em excesso, nem em falta. Coloquemos sal demais em qualquer alimento que o sabor se corrompe, amarga, estraga. E sem sal, sequer percebemos o sabor. Se o sal for insípido, disse Jesus, só servirá para ser pisado pelos homens. Parece uma contradição essa frase, como pode sal ser insípido? Pode, se o sal perder suas propriedades naturais, isso acontece quando a ele são adicionadas outras substâncias. Sal, serviu de salário, de remédio, de aliança. Serviu de parábola dita pelos lábios de Jesus para nos advertir sobre os males advindos da contaminação do mundo. Desde criança, sempre ouvi falar no poder curador do sal. Minha avô receitava banho de mar para sarar feridas. e essa função é comprovada pela medicina, uma simples receita de soro caseiro, contendo sal e açucar salva muitas vidas. Baseado no fato de que trabalhadores de minas de sal, têm maior resistência respiratória, foram desenvolvidos tratamentos à base de sal nessa área. Isso também nos diz sobre ser discipulo sal, aquele que cura vidas ao propagar a Palavra de Deus, o Evangelho de forma simples e genuína. Significa que algumas vezes, as feridas vão arder, vão sangrar mais, para deixarem de sangrar um dia. Ser sal da terra é conhecer os limites fronteiriços entre terra e água, é saber que é necessário "peneirar, filtrar, decantar" muitas coisas que podem deteriorar a essência. Assim como salário vem de sal, e trabalhador tem direito a justo salário, pode-se dizer que ser sal é praticar justiça e a Justiça, é Cristo (Rm 1:17). Paradoxo do sal Se sal é vida, cura, revelador de essências, também pode ser motivo de perdas e doenças. A falta e o excesso geram distúrbios. Discípulo de Jesus deve ser esse a andar pelo centro do caminho, de forma prudente e equilibrada, tal como foi advertido em certo tempo a Josué: "Não se desvie nem para direita, nem para esquerda" Josuè 1:7. Nem sal de mais, nem de menos. O mar que tem excesso de salinidade, chama-se Mar morto, dez vezes mais sal que os demais, por essa causa é impossível que haja vida em suas águas: nem peixes, nem plantas. O mar com escasses de sal, chama-se Báltico e fica na Alemanha, as descargas de água "doce" que recebe, causa uma diluição da água salgada e a temperatura da água, bem como suas condições adversas, proporcionam maior nível de poluição e o Báltico sofre com isso. Hipertensão é o que causa o excesso de sal no organismo. Já a falta de sal, ou sódio, no corpo humano, pode gerar Hiponatremia. O equilibrio dos níveis de sal é saúde. Da mesma forma, o equilibrio da quantidade de sal no planeta gera preservação, além disso vai e vem destruição. O sal que salga, na medida... E nos perguntamos: como saber a medida certa do sal, como ser o sal da terra sem falta ou excesso? Vejamos como funciona o processo de extração do sal: colheita da água do mar, concentração das águas, cristalização, retirada do sal e beneficiamento: Lucas 14: 34,35 " é o sal; mas, se o sal degenerar, com que se há de salgar? Nem presta para a terra, nem para o monturo; lançam-no fora. Quem tem ouvidos para ouvir, ouça." Se o sal fica parado em seu habitat natural ele preserva o meio mas não se torna próprio para o consumo. O sal da terra necessita ser beneficiado. Ser discipulo de Jesus, ser sal na medida certa, é esse que se cristaliza no processo de beneficiamento. Caso contrário, somente servirá para ser pisado. Discipulo sal da terra, sem excesso ou faltas é aquele que retirado da água (do batismo), da terra ( conversão), se cristaliza (purificação) para dar sabor a si mesmo e ao mundo. A medida certa é Cristo em nós porque ninguém é justo e bom, a não ser pela justiça de Cristo em si mesmo.
A mulher de Ló... Convertida em estátua de sal, por causa do pecado, do amor a Sodoma e Gomorra e do desprezo a Deus. Uma lição que ficou estampada para eternidade, como exemplo de alguém que teve saudade do passado de práticas erradas. Jesus advertiu: "Lembrai-vos da mulher de Ló" (Lucas 17:32) é para lembrar de esquecer o que nunca deveria reviver. A mulher de Ló é um monumento eterno do excesso de sal, de corrupção pelo mundo. O sal era uma das principais mercadorias de Sodoma, o comércio desse produto, movimentava a economia local, mas um dia Deus fez cair do céu fogo, como descrito em Marcos 9: 49; "Porque cada um será salgado com fogo, e cada sacrifício será salgado com sal (juízo). E no juízo, o sal devolve a cada um seu real sabor, sua essência contaminada ou purificada. Lembremos da mulher de Ló e prossigamos no processo de purificação, mesmo que doa, que sangre, mas as feridas precisam ser curadas, devolvendo a saúde do corpo e da alma. O processo de salinização precisa ocorrer, caso contrário, o excesso de sal faz o que fez com a esposa de Ló. É isso, o que se pede de cada um de nós é que retornemos a essência para o qual fomos criados, sem excessos, sem faltas, mas na medida certa com Cristo. Deus nos abençoe. Fontes como links no artigo. Postado por Wilma Rejane

21/11/16

Adorando o Deus da Tecnologia

Thomas C. Simcox “Com a tecnologia, podemos mudar o mundo”. Eu estava sentado em uma sala de exames no Hospital da Universidade da Pennsylvania, em Filadélfia, ouvindo meu oncologista falando sobre “os projéteis mágicos” e os novos medicamentos que, segundo os cientistas acreditam, podem erradicar muitas formas de câncer. “Você provavelmente não vai morrer por causa deste tipo de câncer”, disse-me ele. “Já chegamos tão longe e tão rapidamente que os tratamentos que você fez estão ficando obsoletos”. Certamente era uma boa notícia para mim. Embora muito feliz com esse prognóstico, não pude deixar de sentir que talvez a visão de mundo do meu médico depositava demasiada fé na ciência. Atualmente, muitas pessoas crêem que o conhecimento pode salvar o mundo. Elas acham que a ciência e a tecnologia podem vencer a enfermidade, estabilizar a economia, preservar nossos recursos naturais, estocar suprimentos de alimentos e até mesmo abolir os conflitos entre as nações e as facções religiosas. Segundo o que dizem, estamos apenas a umas meras descobertas de distância da resolução de todos os problemas do universo. De acordo com esta visão de mundo, tudo o que a humanidade precisa para obter a Utopia na Terra pode ser gerado por sábios em tecnologia e cientistas, pessoas com um espírito de “podemos fazer”, que acreditam que, se você é capaz de sonhar, é capaz de realizar. Portanto, quem precisa de Deus? Em vez de adorarem o Criador, eles adoram o trabalho tecnológico de suas próprias mãos. Essa filosofia pode muito bem se tornar o verdadeiro centro da mensagem a ser pregada durante a futura Tribulação de sete anos. A besta tecno vem aí Duas bestas distintas aparecem em Apocalipse 13. João, o apóstolo, escreveu: “Vi emergir do mar uma besta que tinha dez chifres e sete cabeças e, sobre os chifres, dez diademas e, sobre as cabeças, nomes de blasfêmia. (...) Vi ainda outra besta emergir da terra; possuía dois chifres, parecendo cordeiro, mas falava como dragão” (v.1,11). A besta que emergiu do mar é o pseudo-messias, o Anticristo. Seu surgimento do mar provavelmente significa que ele vem do mundo gentílico. O Dr. David Jeremiah, professor de Bíblia, explica: “No imaginário bíblico, o mar significa a massa em geral da humanidade, ou, mais especificamente, as nações gentias”.[1] A segunda besta é o Falso Profeta. Seu advento, emergindo da terra, contrasta-o com a besta que emerge do mar e pode significar que ele é judeu. J. Hampton Keathley III, estudioso da Bíblia, disse que a terra “pode simbolizar a nação de Israel, que é constantemente relacionada com a terra nas Escrituras”.[2] O trabalho do Falso Profeta é atrair adoração à primeira besta. O desejo de Satanás é ser Deus (Is 14.12-14). Parece que, no futuro, seu objetivo chegará perto de ser realizado. O Falso Profeta exercerá “toda a autoridade da primeira besta na sua presença. Faz com que a terra e os seus habitantes adorem a primeira besta” (Ap 13.12). Ele seduzirá “os que habitam sobre a terra por causa dos sinais que lhe foi dado executar diante da besta, dizendo aos que habitam sobre a terra que façam uma imagem à besta” [o Anticristo] (v.14). Depois, lhe é dado “comunicar fôlego à imagem da besta, para que não só a imagem falasse, como ainda fizesse morrer quantos não adorassem a imagem da besta” (v.15). Este feito será realizado através de meios únicos, singulares. Em 1964, Walt Disney desvendou uma maravilha tecnológica na Feira Mundial de Nova Iorque. Era uma representação de Abraão Lincoln que se movia, falava, e, até mesmo, estava sentado e ficou em pé. Disney chamou essa nova forma de animação de Audio-Animatronics. O homem havia encontrado uma maneira de fazer um objeto inanimado se mover, falar e exibir expressões faciais, usando uma forma especial de robótica. Hoje, na Walt Disney World e na Disneylândia, podemos ver todos os tipos de objetos inanimados, feitos pelo homem, milagrosamente receberem vida através da Audio-Animatronics. Ainda resta-nos ver até onde a tecnologia avançará antes que venha o tempo em que a realista e convincente imagem da besta fará sua entrada no palco dos acontecimentos. A imagem é reminiscente da estátua gigantesca erigida pelo rei Nabucodonosor, da Babilônia, descrita em Daniel 3. Nabucodonosor deu ordens para que todos se ajoelhassem diante da imagem ou morreriam. Esta efígie futura irá um passo adiante: Parecerá viva. O Falso Profeta iludirá grande parte da humanidade a crer que ele tem poder para criar vida. É um milagre, ou é ciência e tecnologia? 666: a Marca da Besta Esse mestre do engano finalmente obrigará “a todos, os pequenos e os grandes, os ricos e os pobres, os livres e os escravos [a receberem] certa marca sobre a mão direita ou sobre a fronte” (Ap 13.16). A marca os identificará com o Anticristo. Sem ela, “ninguém [poderá] comprar ou vender” (v. 17). Essa marca da Besta é “o número da besta, pois é número de homem. Ora, esse número é seiscentos e sessenta e seis” (v.18). Durante décadas, as pessoas têm especulado sobre essa marca perigosa e misteriosa. Ninguém sabe exatamente o que ela é ou como ela será aplicada à carne humana. O Dr. David Jeremiah escreveu: Os poderes governantes geralmente possuem uma insígnia identificadora – a Alemanha nazista tinha sua cruz suástica; a União Soviética tinha a foice e o martelo. A idéia em si remonta aos tempos da história antiga. Babilônia, a primeira potência gentílica, era simbolizada por um leão com asas de águia (Dn 7.4). (...) Volumes e mais volumes já foram escritos com idéias fantasiosas que tentam identificar essa marca. Alguns a identificaram com cartões de crédito, chips de computadores, códigos de barra, até mesmo com nomes de determinadas pessoas (Adolf Hitler ou Saddam Hussein). Ninguém sabe dizer exatamente que forma a marca da Besta terá, mas o número seis parece ser importante. (...) O número seis é o número do homem. A humanidade foi criada no sexto dia e recebeu a ordem para trabalhar durante seis dias. O número 666 é o número do homem – triplicado. (...) Talvez o número da Besta represente a extrema e final oposição a Deus.[3] Talvez o número seis também represente o melhor que o homem tem a oferecer – aquilo que ele mais valoriza ou em que mais confia, acima de tudo: sua habilidade para criar novas maravilhas da ciência e tecnologia extraídas das profundezas de sua própria mente. Parece que, atualmente, muitas pessoas quase que deificam a ciência e a capacidade do homem de fazer os materiais na Terra se adaptarem à vontade humana. Elas crêem que está dentro de seu poder controlar a vida completamente, e, arrogantemente, desafiam a Deus. O Anticristo tipificará esse espírito de arrogância e de rebelião. Uma espada de dois gumes Logicamente a ciência e a tecnologia não são inerentemente más. Muitos avanços são bons e úteis. Eu claramente prefiro os “projéteis mágicos” de meus médicos do que todo tipo de quimioterapia que fui forçado a suportar. Mas nem a ciência nem a tecnologia vencerão a enfermidade e a morte, embora estejam tentando vigorosamente. E a mesma tecnologia da qual as pessoas podem depender para se salvar poderia finalmente ser usada para caçá-las e destruí-las. Por exemplo, a Associated Press relatou que um chip de computador do tamanho de um grão de arroz pode ser implantado em seu braço com informações vitais sobre sua história médica, e isto pode salvar sua vida. “Com a picada de uma seringa, o microchip é inserido debaixo da pele em um procedimento que dura menos de 20 minutos e que não leva pontos. Silenciosa e invisivelmente, o chip escondido possui um código que libera informações específicas sobre o paciente quando um scaner passa sobre ele”.[4] E aqui está o problema. Esses microchips também dariam à pessoa com o scaner certo acesso a todas as suas informações pessoais. No fim, o chip que salvaria sua vida se torna um dispositivo de rastreamento capaz de monitorar todo e qualquer passo que você der. Bíblia afirma que, sem a marca da besta, ninguém poderá comprar ou vender. Presume-se que, da mesma forma, ninguém poderá receber cuidados de saúde. Falta apenas um pequeno passo entre rastrear a saúde da pessoa e rastrear seus movimentos e, subseqüentemente, rastrear todos os aspectos de sua vida pessoal. Parece que a marca está ligada ao futuro da economia mundial. Hoje, os bancos podem rastrear as pessoas através do uso dos cartões de crédito e débito. Podemos ser rastreados a partir de nossos cada vez mais sofisticados telefones celulares e até mesmo através dos convenientes coletores eletrônicos de pedágio em nossos carros. Aqueles que recusarem a marca acharão a vida horrivelmente difícil. Infelizmente, todo o mundo seguirá a Besta: “e adoraram o dragão [Satanás] porque deu a sua autoridade à besta” (Ap 13.3-4). E o governo buscará matar a qualquer um que adore o verdadeiro Deus vivo. Em nossos dias, o mundo confia mais e mais em sua habilidade de resolver problemas, de corrigir todos os erros e de criar uma sociedade perfeita, saudável, utópica. Muitos adoram os deuses tecnológicos e zombam do Deus que se assenta nos céus. Embora a ciência possa ajudar as pessoas a viver mais e proporcionar-lhes mais dispositivos, implementos, medicamentos e amenidades, ela nunca será capaz de apagar os efeitos do pecado. As pessoas ainda ficarão doentes, morrerão, roubarão e assassinarão umas às outras. Nem a ciência nem a tecnologia podem produzir a vida eterna. Esse domínio pertence exclusivamente a Deus. Na verdade, muitos de nossos avanços vêm com suas conseqüências. Inventamos maneiras de preservar os alimentos, mas, para tanto, freqüentemente são usados elementos químicos maléficos. Inventamos o ar condicionado, mas ele supostamente destrói o ozônio. Inventamos os carros, mas eles aparentemente envenenam o ar. A humanidade não consegue curar nem consertar o mundo. Essa tarefa pertence ao Senhor. Ele voltará para este planeta e colocará as coisas de volta no lugar onde elas deveriam estar: “Porque de Sião sairá a lei, e a palavra do Senhor, de Jerusalém. Ele julgará entre os povos e corrigirá muitas nações; estas converterão as suas espadas em relhas de arados e suas lanças, em podadeiras; uma nação não levantará a espada contra outra nação, nem aprenderão mais a guerra” (Is 2.3-4). Nesse dia, as pessoas já não adorarão a obra de suas mãos: “Todos os que restarem de todas as nações que vieram contra Jerusalém subirão de ano em ano para adorar o Rei, o Senhor dos Exércitos, e para celebrar a Festa dos Tabernáculos” (Zc 14.16). Eles adorarão o Deus de Israel, o Messias, que os salvou! (Thomas C. Simcox — Israel My Glory — Chamada.com.br) Notas: Dr. David Jeremiah, The Jeremiah Study Bible (Bíblia de Estudo Jeremiah), (Brentwood, TN: Worthy Publishing, 2013), 1,854 n Revelation 13:1. J. Hampton Keathley, III, Studies in Revelation,?“The Beast and the False Prophet (Rev 13:1-18)”?(Estudos no Apocalipse: A Besta e o Falso Profeta (Ap 13.1-18)), www.tinyurl.com/Bible-org-JHK. Jeremiah, “FYI: The Mark of the Beast” (A Marca da Besta), 1,855. The Associated Press, “FDA approves computer chip for humans” (A FDA aprova o chip de computador para seres humanos), NBCNews.com, 13 de outubro de 2004, www.tinyurl.com/ricechip. Extraído de Revista Chamada da Meia-Noite março de 2015 Revista mensal que trata de vida cristã, defesa da fé, profecias, acontecimentos mundiais e muito mais. Veja como a Bíblia descreveu no passado o mundo em que vivemos hoje, e o de amanhã também